Principais Pontos da Medida Provisória 1.046, de 27 de Abril de 2021

por | 28 abr 21 | Uncategorized | 0 Comentários

Para enfrentamento dos efeitos econômicos decorrentes do estado de calamidade pública e para preservação do emprego e da renda, poderão ser adotadas pelos empregadores, dentre outras, as seguintes medidas:

I – Teletrabalho (Home Office)

O empregador poderá, a seu critério, alterar o regime de trabalho presencial para o teletrabalho, trabalho remoto ou outro tipo de trabalho a distância e determinar o retorno ao regime de trabalho presencial, independentemente da existência de acordos individuais ou coletivos, dispensado o registro prévio da alteração no contrato individual de trabalho. O empregado tem que ser notificado com antecedência mínima de 48 horas

A responsabilidade pela aquisição, pela manutenção ou pelo fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho, trabalho remoto ou trabalho a distância e ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de 30 dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.

II – Antecipação de férias individuais

O empregador informará ao empregado sobre a antecipação de suas férias com antecedência de, no mínimo, 48 horas, por escrito ou por meio eletrônico, com a indicação do período a ser gozado pelo empregado. Poderão ser concedidas por ato do empregador, ainda que o período aquisitivo a elas relativo não tenha transcorrido

O pagamento da remuneração das férias concedidas em razão do estado de calamidade pública poderá ser efetuado até o quinto dia útil do mês subsequente ao início do gozo das férias.

O empregador poderá optar por efetuar o pagamento do adicional de um terço de férias após sua concessão, até a data em que é devido o 13º salário (20 de dezembro).

III – Concessão de férias coletivas

O empregador poderá, a seu critério, conceder férias coletivas e deverá notificar o conjunto de empregados afetados com antecedência de, no mínimo, 48 horas. Ficam dispensadas a comunicação prévia ao órgão local do Ministério da Economia e a comunicação aos sindicatos representativos da categoria profissional.

IV – Aproveitamento e a antecipação de feriados

Os empregadores poderão antecipar o gozo de feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais e deverão notificar, por escrito ou por meio eletrônico, o conjunto de empregados beneficiados com antecedência de, no mínimo, quarenta e oito horas, mediante indicação expressa dos feriados aproveitados.

V – Banco de horas

Ficam autorizadas a interrupção das atividades pelo empregador e a constituição de regime especial de compensação de jornada, por meio de banco de horas, em favor do empregador ou do empregado, estabelecido por meio de acordo coletivo ou individual formal, para a compensação no prazo de até 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública.

VI – Suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho

Está suspensa a obrigatoriedade de realização dos exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceto dos exames demissionais.

VII – O diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS 

Fica suspensa a exigibilidade do recolhimento do FGTS pelos empregadores, referente às competências de abril, maio, junho e julho de 2021, com vencimentos em maio, junho, julho e agosto de 2021. Os pagamentos das obrigações referentes às competências mencionadas serão em até quatro parcelas, a partir de setembro de 2021.

As empresas que optarem pela suspensão do recolhimento do Fundo de Garantia do tempo de Serviço – FGTS, tem que realizar a transmissão da SEFIP (Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social) na modalidade declaração ao FGTS até 20 de agosto de 2021, para caracterizar confissão de débito que constituirá o instrumento hábil e suficiente para a cobrança do crédito de FGTS. Comuniquem os responsáveis pelo processamento da informação sobre a opção de suspender o recolhimento.

VII – Estabelecimentos de Saúde

É permitido aos estabelecimentos de saúde, mediante acordo individual escrito, mesmo para as atividades insalubres e para a jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso:

  • Adotar escalas de horas suplementares entre a 13ª e a 24ª hora do intervalo interjornada, sem que haja penalidade administrativa, garantido o repouso semanal remunerado.
  • As horas suplementares computadas poderão ser compensadas, no prazo de 18 meses, contado da data de encerramento do estado de calamidade pública, por meio de banco de horas ou remuneradas como hora extra.

Fonte: Dr. Alexandro Eduardo da Silva

Publicações relacionadas

Principais pontos da Medida Provisória 1.045/2021

Em 27/04/2021, foi publicada a MP 1.045 que instituiu o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e dispõe sobre medidas complementares para o enfrentamento das consequências da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do...

ler mais

Consultorias: os erros mais comuns

Entender as necessidades da empresa, otimizar os processos internos, reinventar modelos de negócios. São amplas as atribuições de uma consultoria, que nos últimos tempos, têm se tornado cada vez mais ativas nos negócios Brasil afora. E mesmo com toda a expertise para...

ler mais

Coworking segmentado: você já ouviu falar sobre eles?

Nos últimos tempos, todos nós temos ouvido falar sobre os coworkings e, consequentemente, aprendido um pouco sobre eles. São aqueles espaços compartilhados com diversas pessoas e empresas, de diferentes segmentos. E por falar em diferentes segmentos, você já ouviu...

ler mais
Close Bitnami banner
Bitnami
Close Bitnami banner
Bitnami